quinta-feira, 8 de abril de 2010

PLANTIO DE DENDROBIUM EM ÁRVORE










Muita gente ganha de presente ou compra um vaso florido de Dendrobium, geralmente um híbrido de Dendrobium nobile e após a floração, deixa o vaso com a planta jogado em um canto, com um pratinho de água em baixo. O resultado, é claro, é a morte da orquídea. As pessoas que assim o fazem, nem têm idéia de que aquele vaso, muitas vezes de uma planta simples de supermercado, pode se tornar a estrela do seu jardim. Se o local for acima de 400 metros e a amplitude térmica entre o dia e a noite for significativa, por certo em pouco tempo aquele vaso tornar-se-á uma linda touceira, a qual poderá ser usada como matriz para difundir outras plantas por toda a área do terreno. Ao nível do mar, poucas são as espécies de Dendrobium que se desenvolvem bem, mas se o local tiver a particularidade de ter uma diferença razoável de temperatura entre o dia e a noite, com noites frescas, eles até que ficam bonitos. O que deve ser feito inicialmente é logo após a floração, dar à planta um período de descanso de cerca de um mês e depois, retirar com cuidado o seu vaso plástico. Não mexa no bloco de substrato com raízes, apenas olhe as raízes e recoloque o vaso. Vigie periodicamente as pontas das raízes, sem esquecer de colocar novamente o vaso plástico no local para não deixar o substrato se soltar. Assim que raízes novas com pontas verdes começarem a aparecer, você poderá retirar definitivamente o vaso plástico e chacoalhar fora o substrato ao redor das raízes, retirando com cuidado, sem puxar, o máximo de substrato possível que à elas se aderirem. Lave o que sobrou com um jato forte de água de um esguicho para eliminar a acidez. Após lavar bem as raízes do seu Dendrobium, procure cortar fora as raízes que estão podres e isso é fácil de saber usando-se os dedos. As raízes saudáveis são duras e roliças, enquanto que as que estão mortas ou podres são moles e murchas. Se você tiver algum hormônio enraizador, como o Rost ou o ácido indo-butílico, será ótimo mergulhar ali as raízes restantes por alguns minutos e deixar a planta secar sobre um jornal antes de amarrá-la na árvore. Infelizmente esses não são produtos que se encontram com facilidade. Existem outros produtos enraizadores mais fracos à venda em lojas de plantas e que também podem ser usados, mas com menor eficiência. A vitamina B é muito benéfica, como também é o Superthrive, mas esses produtos são indutores do crescimento e não enraizadores propriamente ditos. Mesmo sem aplicar nada disso os Dendrobium acabam enraizando bem, pois são plantas muito rústicas. Os enraizadores, na verdade, apenas aceleram o processo. Estando o seu Dendrobium já com as raízes soltas e livres do antigo substrato, você poderá escolher uma forquilha grossa de uma árvore, à média altura, procurando sempre um local sombreado e fixar ali a planta tomando o cuidado para não amassar as raízes. Deixe-as soltas ao longo da madeira da casca da árvore, penduradas, e aos poucos elas fixarão ali as suas pontas verdes. Amarre a planta para ela ficar bem firme e gentilmente amarre sem apertar as raízes contra o tronco. Só as pressione, para que as pontas verdes possam sentir a madeira e nela grudem. A foto abaixo da esquerda mostra um Dendrobium nobile plantado assim.
Uma vez enraizada a planta nesse local, ela irá crescer bem, mas dará poucas flores. Essa será a sua matriz. Por estar na sombra, esse Dendrobium dará mais mudas do que flores. Os longos pseudobulbos cairão em cascata com o próprio peso e da ponta deles pequenas mudas surgirão, como se pode ver na foto acima à direita. Conserve bem essa planta que está na sombra, pois cada um desses pseudobulbos com mudas, chamadas de keikis, serão a origem de uma nova planta. Corte na sua base o pseudobulbo que possui keikis. Normalmente as pessoas destacam os keikis dos pseudobulbos e os fixam diretamente no tronco da árvore, mas percebi que a perda é grande, uma vez que esses keikis são ainda muito dependentes da seiva do pseudobulbo ao qual estão afixados. Os pseudobulbos estão cheios de nutrientes e se forem mantidos junto com os keikis, eles alimentarão esses keikis na fase de adaptação, até que eles estejam bem enraizados e passem a se alimentar através das suas próprias raízes. A retirada do pseudobulbo junto com os keikis também é benéfica para conservá-los vivos sem se desidratarem por um bom tempo, o que é muito útil para o caso de uma viagem, por exemplo. Muitas vezes quando estamos viajando, ganhamos mudas de Dendrobium de amigos, as quais temos que conservar em bom estado até chegarmos em casa. Não se esqueça de passar um cicatrizante no corte que separou o pseudobulbo da planta mãe, tanto na planta quanto no pseudobulbo. Existem pastas cicatrizantes específicas e misturas de fungicidas com bactericidas em pó feitas pelo próprio orquidófilo, as quais podem ser usadas para esse fim, mas se você não quiser mexer com defensivos, use a canela em pó que também é eficiente. O Anaseptil em pó que se vende em farmácias também é um ótimo bactericida, tanto quando aplicado em pó sobre o corte ou lesão, como quando aplicado diluído com água em forma de pasta através de um pincel. Não tire pseudobulbos demais da sua matriz para não estressar a planta. As fotos abaixo mostram um pseudobulbo com um keiki, pseudobulbo esse que foi seccionado da planta mãe e amarrado em um galho de uma dracena. No caso das fotos, o pseudobulbo continha só um keiki, mas se o seu tiver mais que um keiki, amarre o pseudobulbo com todos os keikis que ele contiver. Procure aproximar bem a ponta das raízes da casca da madeira. Note que os keikis estão sempre em pé, isto é, com a parte superior voltada para cima. Se o pseudobulbo pendeu para baixo e os keikis nasceram contra a sua queda, amarre o pseudobulbo com a base para cima e a ponta para baixo. Se o pseudobulbo nasceu apontando para cima e o keiki, é claro, também, amarre o pseudobulbo com a base para baixo e a ponta para cima. Em galhos horizontais, amarre o pseudobulbo ao longo do galho na horizontal, mas sempre procure manter os keikis na posição vertical, na orientação em que cresceram. Isso é muito importante, pois o esforço do keiki para se reorientar para cima esgota as suas forças e prejudica a sua fixação no tronco.

Os keikis assim afixados em uma árvore, em pouco tempo nela enraizarão, pois não perderão as suas forças devido à seiva fornecida pelo pseudobulbo que foi retirado da planta mãe. Em cerca de 3 a 4 meses, eles já estarão com as raízes envolvendo a casca da árvore ao redor da base do keiki. As fotos abaixo mostram o bom enraizamento de keikis amarrados em uma dracena a apenas 3 meses.

O barbante a ser usado para se amarrar o pseudobulbo no galho da árvore deve ser daquele tradicional que apodrece com o tempo. Não use arame nem fio de náilon e evite fazer o que foi feito nessas fotos, que foi o uso do fitilho. Esses materiais que não apodrecem com o tempo, acabam ferindo e entrando dentro da casca da árvore à medida que ela cresce e se expande, podendo criar ali um anel aberto que será uma porta de entrada para as infecções. Se você não tem o costume de controlar diariamente os keikis plantados, só use barbante perecível ou elástico.
Nas duas fotos abaixo, vocês poderão ver à esquerda um Dendrobium moschatum, plantado da mesma maneira que o Dendrobium nobile acima, tendo os seus longos pseudobulbos cortados na metade. Dá para notar o seu saudável enraizamento. Esse pseudobulbo com vários kekis na ponta foi levado do Rio de Janeiro para São Paulo, demorou vários dias para ser plantado e nada sofreu com isso. A foto da direita mostra um Dendrobium loddigesii, o qual foi retirado do vaso e teve o seu bloco de substrato bastante reduzido, mas não completamente eliminado. Uma vez que nessa espécie os pseudobulbos são delicados e de fácil desidratação, eles não foram destacados da planta mãe e sim apenas amarrados ao longo do galho da árvore. As raízes dos keikis foram aproximadas da casca com cuidado e agora já se fixaram firmemente à ela, possibilitando assim a retirada do barbante usado na amarração.
A escolha do local em uma árvore para se plantar uma muda de Dendrobium é quase uma ciência. Não se pode ir plantando à esmo. Procure o lado do tronco da árvore que receba o sol da manhã e que esteja protegido do sol quente da tarde. Escolha locais úmidos, mas bem arejados e sempre muito claros. Para você saber se a luz é boa, em um dia de sol estenda a sua mão acima do chão a cerca de um metro de altura e veja se pode contar os seus dedos através da sombra da mão. A sombra deve estar bem nítida. Essa é a luz que o Dendrobium gosta. Se a sombra da mão não for nítida, a luz está fraca. O ideal é escolher-se um local próximo a alguma superfície de água, como uma beira de lago, riacho, piscina, ou até mesmo uma área próxima de uma torneira que seja bastante utilizada. A umidade resultante da evaporação dessa água é muito apreciada pelas orquídeas. A presença de musgo verde (evite o muito espesso), sobre a casca do tronco da árvore é uma boa indicação de que naquele local a umidade é alta. O truque para se achar o local ideal, o “pulo do gato”, é na verdade a temperatura do tronco. Com o tempo você aprenderá a achar o tronco ideal e o local ideal nesse tronco, sentindo na palma da mão a sua temperatura. Coloque a mão aberta sobre a superfície de um tronco de árvore. Evite as árvores que soltam a casca periodicamente, pois essa casca ao se soltar levará com ela a planta à ela aderida. Árvores com cascas grossas demais também não são boas escolhas, pois a casca é muito seca e não tem contato com a seiva, a “vida” da árvore. Se vc tiver paciência, vc sentirá na palma da sua mão o frescor da seiva passando por baixo da casca. Você poderá sentir que determinadas árvores são mais frias que outras. Você também poderá sentir na palma da mão, que determinadas partes de um tronco são mais frescas que outras. Vá sentindo aos poucos ao longo da madeira, devagar... As áreas mais frias da madeira são mais propícias ao bom enraizamento das orquídeas do que os locais mais quentes, sem “vida” por baixo. Isso não quer dizer que a orquídea é uma parasita que suga a seiva da árvore, não, ela é uma epífita, isto é, ela apenas se apóia na árvore. Árvores com casca mais fina e seiva próxima à superfície, exudam uma espécie de suor que é aproveitado pelas raízes e que também é o responsável por tornar a superfície do tronco mais fresca. Você notará que em árvores que estão lado a lado no mesmo local, pode haver diferença de temperatura nos seus respectivos troncos, muitas vezes até no mesmo tronco, variando com a altura em que se toca ou com o lado em que apalpamos. É claro que o lado que está sendo aquecido pelo sol estará mais quente. Você terá que escolher o local mais fresco do mesmo lado do tronco, pois é por baixo dessa área que a seiva está mais próxima. A casca ideal é aquela que é fina, mas ligeiramente áspera, como se fosse um veludo baixo por sobre a madeira. Embora as cascas grossas tenham ranhuras profundas que servem de suporte para as raízes, elas são quentes e sem vida, fazendo a planta “pensar” que está plantada em um pedaço de madeira morta e não em um tronco vivo. Uma casca “borrachuda” também é muito apreciada pelas orquídeas. Esse tipo de casca é aquela que a gente aperta com a mão e ela cede um pouco e depois volta a sua posição anterior, mas não pode ser muito grossa. Exemplos de árvore com casca borrachuda são o cafeeiro e a calabaça, nativa do nosso cerrado. Na verdade, a calabaça ou Crescentia cujete, é a melhor árvore eu conheço como hospedeira de orquídeas. É insuperável, pois possui muitos galhos na horizontal e a sua copa é rala, permitindo a entrada de muita luz. As fotos abaixo mostram essa árvore e dão uma idéia do tipo de árvore que se deve buscar para plantar orquídeas. Só tomem cuidado para que os grandes e pesados frutos não venham a espremer a orquídea contra o galho. Os que nascerem sobre a orquídea devem ser removidos da árvore ainda pequenos.

Uma velha laranjeira, já com a copa rala também é uma boa opção para se plantar orquídeas, assim como as dracenas em geral. O Algodoeiro da Praia (Hibiscus tiliaceus) também é um excelente hospedeiro, pois possui muitos galhos horizontais (foto abaixo da esquerda). Plante nele os seus keikis na parte do tronco que fica bem exposto, abaixo da copa. Se você quiser fazer um orquidário natural eu sugiro que faça uma pequena mata artificial de Pau D’água (Dracaena fragrans). Essa planta é extremamente rústica e cresce muito rápido. Também é muito barata e um exemplar pode ser plantado próximo do outro. Ela não possui galhos horizontais, de maneira que as melhores orquídeas para se plantar no seu tronco são as pequenas e as micro, mas os Dendrobium também se dão bem ali. Para finalizar quero recomendar a Unha de Vaca ou Pata de Vaca (Bauhinia forticata) como excelente hospedeira para orquídeas (close das folhas na foto abaixo à direita).

Ela perde a maioria das folhas no inverno, o que aumenta a insolação das plantas nela afixadas na época em que o sol não é muito forte. Essa para mim é a árvore ideal para dendrobiuns, pois ela se dá muito bem no clima apreciado por esse gênero de orquídeas. Então não se esqueça: não ponha de lado o seu Dendrobium após a exuberante floração de floricultura. Sempre haverá uma árvore esperando por ele no seu jardim.

Carlos Keller

Rio de Janeiro, RJ

carlosgkeller@terra.com.br
 
Carlos G. Keller é paisagista e orquidófilo da cidade do Rio de Janeiro.

4 comentários:

Tiellet Borges, NN disse...

Muito bom o artigo do Sr. Carlos Keller, tenho certeza de que quem o ler terá oportunizado um conhecimento vital para o trato com Dendrobiuns. Valeu demais tua postagem.
Estou esperando a passagem do outono/inverno aqui no sul para te solicitar, por compra, a remessa de alguns Adeniuns.
Não lembro se te enviei mas há um blog a mais na blogsfera, o meu: nedinelson.blogspot.com
Alí, a palavra escrita e nos passos iniciais, minha convivência com as orquídeas, estas convidada.
abs.

Adenium - Rosa do Deserto disse...

Nelson, obrigada pelo excelente comentário. O Carlos Keller além de orquidófilo e paisagista, é um grande mestre, não se furtando a transmitir seus conhecimentos. Entrei no seu blog e gostei muito. Parabéns! Além de orquídeas, muita poesia . Aguardo seu contato.
Abs,

Maria del Valle Abad de Pinto disse...

Amiga pase por aqui buscando como sembrar una orquidea dendrobium moschatum tiene varas muy largas, tu blogs esta muy bonito las plantas estan hermosas te segui y te dejo muchos cariños...http://tejidosmanualidadesyalgomas.blogspot.com

Unknown disse...

ola boa tarde gostaria de saber como fazer muda da estaquia da dendobrium moschatum....o meu nunca saiu keikes